1 de fev de 2012

Têxtil transforma-se em arte


Inspirado no passado próspero de uma empresa têxtil da região, o artista americano Donal Gerola cobriu parte do rio Blackstone com uma “manta” colorida. Uma instalação artística que usou mais 9.100 metros de cordas e que é a atração principal do Pawtucket Arts Festival.
 
dummy
Têxtil transforma-se em arte
Uma fábrica têxtil construída na margem de um rio em Rhode Island no século XVIII inspirou uma singular forma de tecelagem: cordas sintéticas coloridas esticadas sobre a água numa enorme instalação artística. O artista local Donald Gerola erigiu a instalação “Weaving the Blackstone” sobre as águas do rio Blackstone, que anteriormente alimentaram a unidade industrial Slater Mill, em Pawtucket, local de nascimento da Revolução Industrial Americana.
A enorme instalação artística com cabos verdes, vermelhos, amarelos e azuis pretende celebrar a Slater Mill, a primeira fábrica têxtil bem sucedida do país, e ajudar a estabelecer um novo padrão para a arte pública, indicou o artista. «Eu tinha uma visão», indicou Gerola, de 62 anos, que se lembra de pensar «vou fazer uma coisa bonita no rio».
Para criar a peça, Gerola limpou mais de 100 árvores ao longo das margens do rio e contratou dois arqueiros para lançarem setas com os filamentos para o outro lado do rio. Os filamentos foram então usados para puxar cordas maiores por cima do rio, revelou. Foram usados mais de 9.100 metros de cordas para criar a instalação, algumas feitas por uma empresa têxtil local, a Neocorp, referiu Gerola.
Vândalos cortaram duas vezes algumas secções de cabo enquanto Gerola e outros estavam a fazer a peça, que ficou concluída no passado mês de dezembro. «Foram semanas de trabalho em vão», lembrou numa entrevista à Reuters.
Os cabos coloridos são mantidos no local por barras que pretendem simular as varetas de um tear. Cruzam-se por cima do rio em vários ângulos, formando triângulos e outras formas que parecem pairar acima da água no brilho dos holofotes à noite. «É visualmente maravilhoso a todas as horas do dia, mas sobretudo à noite quando está iluminado», considera John Baxter Jr., presidente do Pawtucket Arts Festival, que forneceu o financiamento inicial para o projeto. A instalação reflete o passado industrial da cidade e a sua transição para uma comunidade de artes, afirmou.
Pawtucket, uma cidade com cerca de 72 mil habitantes, estabeleceu há vários anos um bairro de arte e concede benefícios fiscais para artistas, explicou Michael Davolio, diretor de planeamento e desenvolvimento da cidade. Os edifícios de fábricas antigas foram convertidos em estúdios e a cidade tornou-se casa para vários artistas, desde pintores a realizadores de cinema, mas «temos ainda muito trabalho pela frente», realçou Davolio.
O rio Blackstone tem sido reconhecido pelo seu significado histórico pelo National Park Service e a cidade pretende tornar as fábricas e a área circundante num parque nacional, revelou.
Hoje a Slater Mill consiste num complexo museológico que inclui a fábrica original, construída em 1793 e que produziu exclusivamente trama de algodão até 1829.
Gerola revelou que o museu está a planear usar uma máquina de fiação a bobina dos anos de 1860, entretanto recuperada, para fiar um cabo que será adicionado à sua instalação, talvez durante a cerimónia de abertura.
O projeto foi financiado com 22 mil dólares (16,7 mil euros) por uma empresa de estamparia local mas Gerola afirmou que teve um prejuízo operacional tendo em conta o tempo e recursos que exigiu. «Queria fazê-lo a qualquer custo, independentemente do prejuízo, porque nunca foi feito antes», concluiu.
 
fonte: Reuters