30 de nov de 2011

CROCHET COM TODO JEITO DO VERÃO!


24 de nov de 2011

ECO-FÁBRICAS EM 14 PASSOS

A M&S abriu a sua primeira fábrica ecológica no Sri Lanka em 2008 em parceria com dois dos maiores produtores de vestuário do país: Brandix e MAS. A mais recente receptora do reconhecimento foi a Courtaulds, cuja fábrica de peúgas em Derbyshire tornou-se na primeira unidade do Reino Unido a conquistar o estatuto.
 
dummy
Eco-fábrica em 14 passos
Como parte dos compromissos do seu Plano A, a M&S comprometeu-se a lançar os resultados das suas eco-fábricas modelo aos seus 100 principais fornecedores até 2015. A Courtaulds, ao revelar que as medidas que tomou através do programa reduziram para metade as suas contas eléctricas, prova que a sustentabilidade pode compensar, não apenas ecologicamente mas também financeiramente.
Mas o que é que a M&S analisa no âmbito da sua auditoria e o que é que as fábricas necessitam de fazer para alcançar o estatuto de “eco-fábrica” na M&S? Os 14 passos necessários são:
1. Auditoria energética - as fábricas precisam de um auditor externo ou engenheiro da empresa qualificado, para realizar uma auditoria ambiental completa e disponibilizar o relatório. A fábrica precisa de analisar todas as áreas chave em que é necessária a avaliação energética e identificar o potencial de redução e de controlo de energia.
2. Eficiência energética e plano de redução - é necessário fazer um plano de redução de energia com base na auditoria energética e também disponibiliza-lo à M&S. As poupanças de energia precisam ser estimadas em kWh e os custos às taxas actuais. Depois necessitam de registar uma redução face à linha de base.
3. Medidas de monitorização de energia - as empresas precisam de contadores de energia instalados permanentemente para as suas funções de mais elevada utilização de energia, incluindo: iluminação, controlo de temperatura e outros equipamentos eléctricos relevantes. Os relatórios de monitorização devem ser recolhidos diariamente e os relatórios semanais devem ser inspeccionados ou alvo de medidas pelo gestor de resultados da “eco-fábrica”.
4. Motores eficientes nos principais equipamentos de fabrico e apoio - as fábricas devem instalar servo motores de accionamento directo em todos os principais motores, ventiladores e compressores, ou em todos os serviços de apoio à produção.
5. Aprovisionamento de energia renovável “ecológica” - as empresas precisam de se empenhar no aprovisionamento em energia renovável. Isto pode ser externo usando uma fonte de energia hidráulica, eólica, ou vapor de outra fábrica próxima, por exemplo, ou usar a geração de energia no local, tal como painéis solares foto voltaicos.
6. Sistema solar térmico - aquecimento solar de água usando um gerador solar no local de aquecimento - usado para lavar roupa, ou na cantina da fábrica.
7. Isolamento - o edifício deve ser totalmente isolado internamente e externamente para manter uma temperatura estável. Todas as oportunidades e as melhores tecnologias e materiais disponíveis devem ser aplicados para evitar fugas de calor.
8. Fugas de ar-comprimido - a utilização de ar-comprimido e as taxas de fugas devem ser revistas, com um programa regular na fábrica de procedimentos operacionais normalizados para avaliar e reparar vazamentos.
9. Instalações de iluminação e redução de energia - a luz natural deve ser maximizada, a disposição da iluminação deve ser revista e redistribuída para maximizar a sua eficiência e devem ser instaladas lâmpadas de baixo consumo de energia e sensores para controlar o uso da iluminação.
10. Controlo da temperatura (aquecimento e arrefecimento) - a ar-condicionado e os sistemas de aquecimento devem recorrer a sistemas de baixo consumo de energia, usando a melhor tecnologia disponível e a sua utilização deve ser monitorizada e reduzida.
11. Utilização da água e redução - deve existir uma gestão activa para minimizar o uso de água no local. Onde forem utilizados produtos químicos, estes devem ser controlados e manipulados dentro das normas de segurança e ambientais.
12. Resíduos e redução de resíduos - deve ser implementado um plano de acção documentado para a redução, controlo e reciclagem de resíduos - com metas face à linha de base. Os funcionários devem também ser encorajados a participar na redução da produção de resíduos de alimentos e reciclar materiais sempre que possível.
13. Política ecológica e gestão - a fábrica deve ter um plano de sustentabilidade ambiental assinado pelo director e comunicado por escrito. Deve ser nomeado um gestor de resultados que será responsável pela implementação e elaboração de relatórios sobre os progressos do plano ambiental e entrega para a gestão de topo. A empresa precisa de assumir um papel de liderança na condução de projectos ambientais que beneficiem os empregados e as comunidades locais.
14. Certificação ambiental por parte de terceiros - neste caso está incluídos: LEED, ISO 14001 ou WWF Low Carbon Mfg Programme (apenas na China).
FONTE:just-style.com

SUCESSOS NA MODA

Parfois, Tiffosi, Havaianas, Minissa e Elizabeth Santos são alguns dos exemplos de sucesso no mundo da moda provenientes de países de língua portuguesa. Representantes de cada um deles estarão no Porto, no dia 28 de Novembro, para darem a conhecer os sucessos e desafios para vingar nos mercados internacionais.
 
dummy
Sucessos na moda
O encontro destas conhecidas marcas está marcado para o Hotel Porto Palácio, no Porto, durante a conferência “Moda em Língua Portuguesa”, promovida pelo CENIT – Centro de Inteligência Têxtil, no âmbito do projecto Porto Fashion Show, financiado pelo Compete, em parceria com a FFI – Fast Forward Innovation.
Num painel moderado por Paulo Vaz, director-geral da ATP, Sérgio Marques, director de marketing da Parfois, Rui Silva, director de expansão da Tiffosi, Marta Lima, da marca brasileira Havaianas, Adélia e Sheila Tique, estilistas moçambicanas responsáveis pela marca Minissa, e a designer angolana Elizabeth Santos irão revelar o trajecto, os sucessos e as dificuldades de levar uma marca de “língua portuguesa” para os mercados internacionais.
«Tendo em conta os laços existentes entre países de língua e expressão portuguesa e o papel que a cultura desempenha no desenvolvimento, o encontro sectorial dedicado à fileira moda pretende trabalhar e debater o tema da internacionalização das empresas de países de língua portuguesa, ao promover a partilha de experiência de internacionalização e um conhecimento mais aprofundado dos mercados de língua portuguesa, este ano com destaque para Angola, Moçambique e Brasil», refere o convite da organização.
A conferência “Moda em Língua Portuguesa” conta ainda com a conferência-colóquio sobre “Internacionalização de empresas”, a cargo do Professor Adrián Caldart, da AESE, e com uma sessão geral com o professor Manuel Aguiar, da AESE, e com representantes da Angola School of Management.
fonte: Portugal Textil

21 de nov de 2011

VALENTINO INAUGURA MUSEU VIRTUAL

Na foto, uma das galerias do museu que o estilista italiano criou para contar seu legado na moda
Foto: Divulgação


MICHELLE ACHKAR
A grife Valentino prepara o lançamento de um espaço para preservar seu legado na moda: um museu. A diferença é que ele será virtual. O criador da marca, Valentino Garavani, e seu sócio Giancarlo Giammetti disponibilizam a partir de dezembro o acesso a arquivos virtuais sobre a empresa, suas principais criações - desde o desenho até personalidades que vestiram as peças-, e a vida do estilista, que se aposentou em 2008.
Um vídeo disponível a partir de hoje pelo endereço valentino-garavani-archives.org conta como será o projeto do Valentino Garavani Virtual Museum. "Isso é parte do meu legado. Estou feliz que milhares de estudantes, jovens estilistas e pessoas da moda vão poder ver e estudar meu trabalho em todos os seus aspectos, de maneira fácil e acessível. Mas também é importante lembrar coisas do passado para reviver a moda que moldou nossas vidas. Chamaria isso de memória do futuro", disse à versão online do WWD.
O museu abrange 50 anos da história de vida de Valentino e será visitado como se fosse uma instalação de verdade, com galerias e espaços que dividem os temas. Segundo a marca, se fosse real teria mais de 30 mil metros quadrados. Os principais vestidos criados pelo estilista, cerca de 300, foram fotografados e animações permitem visualizá-los em todos os ângulos. Há ainda informações sobre materiais, costura e suas histórias, incluindo que mulheres os vestiram, como Elizabeth Taylor, Jacqueline Kennedy, Sophia Loren e mais recentemente Julia Roberts. Desenhos, ilustrações, campanhas, fotos de editoriais, imagens de famosas em eventos importantes e vídeos também integram o acervo do museu.
No dia do lançamento, a dupla fará uma apresentação do projeto em Nova York, que também será transmitida pelo YouTube. Uma festa no dia 7 de dezembro marca o lançamento oficial do projeto.

18 de nov de 2011

TOM FORD VESTE JAMES BOND

Vários anos depois da sua última aventura, James Bond estará de volta em 2012. O próximo filme do agente 007 não estreará nos grandes ecrãs antes de Outubro do próximo ano, mas os inúmeros detalhes de Skyfall, do realizador Sam Mendes, já começaram a ser revelados. O nome de Bérénice Marlohe para encarnar a novaJames Bond Girl ainda não está confirmado mas já se sabe que Daniel Craig será James Bond pela terceira vez e que convidou Tom Ford para criar o seu guarda-roupa. Conhecido pelo seu perfeccionismo e apurado sentido de estética, o ex-director artístico das casas Gucci e Yves Saint Laurent tem-se dedicado exclusivamente à sua marca homónima de pronto-a-vestir feminino e prepara-se agora para rever os cortes do guarda-roupa masculino. O designer já anunciou que as suas criações serão totalmente feitas à mão por artesãos italianos.
Em relação ao filme, Sam Mendes adiantou: “Teremos muitas surpresas para o público. O filme terá todos os elementos de um clássico 007, incluindo muitas cenas de acção”. E acrescentou que muitas coisas que fazem parte da fórmula de sucesso de 007 não mudarão, entre elas a presença de mulheres atraentes e homens imbatíveis. Os lugares escolhidos para as filmagens foram Londres, Escócia, Turquia e China. Se tudo correr como planeado, Skyfall estreará nos cinemas da Grã-Bretanha em Outubro de 2012 e em Novembro nos Estados Unidos.
É aguardar para ver!

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA DE MODA ALEMÃ

Depois de ter sido apresentada em 54 cidades e 32 países diferentes, a exposição itinerante “Imagens de Moda - Moda de imagens. Fotografias de moda alemãs de 1945 a 1995” termina o seu percurso em Lisboa, na Galeria Torreão Nascente da Cordoaria Nacional. Uma iniciativa conjunta do Goethe-Institut Portugal, da Câmara Municipal de Lisboa, e do Institut für Auslandsbeziehungen (ifa), em colaboração com a experimentadesign 2011, “Imagens de Moda - Moda de imagens” inaugura no próximo dia 24 de Novembro, pelas 19h00, e conta com a curadoria de F. C. Gundlach, um dos mais importantes fotógrafos de moda do pós-guerra, que estará presente na inauguração. 

Para esta mostra, F. C. Gundlach seleccionou sobretudo fotografias inovadoras com uma enorme força visual, que marcaram a sua contemporaneidade. No total, a exposição reúne 188 imagens de 39 fotógrafos de renome internacional que contribuiram consideravelmente para a criação de uma nova imagem da mulher, como Jürgen Teller, Wolfgang Tillmans e Sibylle Bergemann.
F.C. Gundlach procurou agrupar tematicamente até 6 imagens relacionadas que ilustrassem as características do trabalho de cada fotógrafo. Para além de retratar as tendências de moda e de documentar os movimentos fotográficos do passado, estas 188 imagens constituem também um retrato social do denominado
"Zeitgeist", das transformações sociais, dos códigos morais e dos sentimentos e desejos das pessoas de uma determinada época. F. C. Gundlach conseguiu, assim, reunir uma documentação representativa e multifacetada da fotografia de moda nos primeiros 50 anos da República Federal da Alemanha.
A exposição ficará patente ao público até 22 de Janeiro de 2012.

SOBRE F. C. GUNDLACH
F. C. Gundlach descobriu a sua paixão pela fotografia aos 10 anos e formou-se nessa área em 1949, após cumprir o serviço militar. Depois de se especializar em fotografia de moda, trabalhou para revistas da especialidade, tornando-se um fashion photographer conceituado. Fez produções em todo o mundo e fotografou actores e realizadores de renome, como Sophie Lauren, Romy Schneider, e Jean Luc Godard. Os seus trabalhos, realizados ao longo de 40 anos, tornaram-se verdadeiros ícones e marcaram a história da moda. Gundlach dedicou a sua vida à fotografia, não só como fotógrafo, mas também como coleccionador e curador de exposições.


Imagens de Moda - Moda de Imagens. Fotografias de Moda Alemãs de 1945 a 1995
Galeria Torreão Nascente da Cordoaria Nacional
Avenida da Índia / Lisboa (Belém)
Horário:
Terça a Sexta - 11h às 19h
Sábados - 14h às 19h
Encerra Domingos e segundas
fonte:  Daily Moda Lisboa

15 de nov de 2011

ALFAIATES DA VIDA




Nós somos os alfaiates da vida.




Deus nos deu um bom tecido e todo o material de costura.



Quando criança nossos pais costuravam ou compravam  roupas costuradas para


 nós. Nem sempre gostávamos, mas de qualquer forma faziam com amor.

Chega um momento que cabe a nós pegar na agulha e na linha de nossas vidas.

Mas nos falta disposição; então vamos à loja de departamentos da Sociedade, e usamos o que podemos comprar.

Mesmo que não nos agrade, é o que tem.

.
Às vezes, para adaptar o 
pret-à-porter de nossa existência 




ao nosso gosto pessoal, colocamos remendos - e fica pior.

Um dia, paramos e pensamos: “quando criança, meus pais me vestiam.
Quando adulto, a sociedade me veste. Quando terei liberdade de criar minha própria roupa espiritual? ”

Então devemos  assumir e pegar a agulha, a linha, o tecido que Deus colocou para nós e criarmos a nossa arte!



14 de nov de 2011

CRÔNICA DE UM REGRESSO ANUNCIADO

A marca Karl Lagerfeld, do carismático criador homónimo, deu nova ordem de partida com um novo presidente, a criação de duas linhas de vestuário e o lançamento de um website que aspira a transformar o nome do director criativo da casa Chanel numa verdadeira marca global.
dummy
Crónica de um regresso anunciado
Karl Lagerfeld, que é também director artístico da casa Fendi, quer dar uma conotação menos elitista à sua marca e apostar antes em produtos mais acessíveis, que estarão disponíveis à distância de um clique no retalho virtual.
No início de 2012, precisamente a 25 de Janeiro, o site net-a porter.com começará a comercializar a nova linha, baptizada simplesmente Karl, para já destinada ao público feminino e com cerca de uma centena de peças a preços que oscilam entre os 60 e os 300 euros, à qual seguir-se-á no Outono uma linha masculina e uma gama de acessórios, lançadas com o objectivo de levar o luxo a uma audiência mais vasta.  
O célebre kaiser da moda tinha já avisado em Setembro último que a sua marca epónima estava em plena reestruturação, centrada em preparar a produção e a distribuição desta nova visão de massas do criador germânico, que no passado tinha já desenhado uma colecção de preços baixos para a marca sueca H&M que foi um enorme sucesso de vendas.  
«Nos últimos 12 meses estudámos cuidadosamente esta incrível oportunidade global», afirma em comunicado Christian Stahl, sócio do fundo de investimento Apax, principal accionista da marca Karl Lagerfeld. «Estamos convencidos de que com a liderança única de Karl, unida a uma equipa directiva com talento e experiência e a um plano de negócio bem pensado, teremos grandes possibilidades de êxito», acrescenta Stahl, para quem a Karl Lagerfeld, apesar de já ser basicamente uma marca global, não dispunha de um «negócio global» a acompanhá-la.
Este negócio será presidido por Pier Paolo Righi, que assumiu as suas novas funções em Agosto último, e dispõe já de uma nova sede em Paris, no coração de Saint-Germain des Prés, mas a equipa também trabalhará a partir dos escritórios da Apax em Nova Iorque e Amesterdão.
A linha Karl, que a partir de 28 de Fevereiro estará igualmente à venda no futuro website karllagerfeld.com, será assim lançada primeira e globalmente através da Internet, mas a partir do segundo semestre de 2012 deverá chegar a uma série de lojas localizadas em «cidades chave». Este projecto será desenvolvido em paralelo com a Karl Lagerfeld Paris, uma linha de pronto-a-vestir com preços mais elevados (entre 300 e 1.500 euros) e que será lançada também no Outono do próximo ano.
«São tempos muito excitantes. Estão a suceder muitas coisas. Agrada-me», conclui o próprio Karl Lagerfeld no comunicado de imprensa que, sem apontar valores, refere «avultados investimentos» para dar vida a estes projectos.
fonte:Portugal Têxtil

MODA EM LÍNGUA PORTUGUESA

No próximo dia 28 de Novembro, especialistas e players da moda de países lusófonos encontram-se no Porto para discutir a internacionalização do sector. Uma conferência promovida pelo CENIT em colaboração com a FFI, onde estarão representados estilistas e reputadas empresas de Portugal, Brasil, Angola e Moçambique.
dummy
Moda em língua portuguesa
«Existe uma moda que fala português e que oferece uma riqueza cultural invejável em termos mundiais». É a partir desta premissa que o CENIT – Centro de Inteligência Têxtil, no âmbito do projecto Porto Fashion Show, financiado pelo Compete, promove, em parceria com a FFI - Fast Forward Innovation, a conferência “Moda em Língua Portuguesa”, que terá lugar no próximo dia 28 de Novembro, no Hotel Porto Palácio.
Direccionada para empresários e gestores da fileira moda, associações sectoriais e organismos públicos, a conferência irá promover a discussão de casos de sucesso da internacionalização da fileira, com a presença de empresários que têm vindo a desenvolver a sua actividade a partir do seu país de origem, nomeadamente Angola, Moçambique, Brasil e Portugal, tendo atingido um alto nível de internacionalização de marca própria.
«A internacionalização é um marco importante no caminho do sucesso das empresas e a língua pode facilitar os contactos e o encontro de culturas. Olhando numa perspectiva global, cada vez mais existe a consciência de que o desenvolvimento económico e social tem uma forte componente cultural e de que as indústrias criativas terão um papel importante a desempenhar no século XXI», refere a organização em comunicado.
A manhã será preenchida com a conferência-colóquio sobre “Internacionalização de empresas”, a cargo do Professor Adrián Caldart, da AESE, e pela sessão geral com o professor Manuel Aguiar, da AESE, e com representantes da Angola School of Management.
No programa constam ainda as intervenções de Sérgio Marques, director de marketing da Parfois, e de Rui Silva, director de expansão da Tiffosi, no painel moderado por Paulo Vaz, director-geral da ATP, que terá lugar à tarde, e que contará igualmente com Marta Lima, da marca brasileira Havaianas, Adélia e Sheila Tique, estilistas moçambicanas responsáveis pela marca Minissa, e a designer angolana Elizabeth Santos.
As inscrições para assistir à conferência “Moda em Língua Portuguesa” devem ser feitas on-line (clique aqui), com o preenchimento de uma ficha por participante. Para mais informações, contacte o CENIT, através do e-mailcenit@portugaltextil.com ou do telefone 252302020.

Programa:
09:00 – Recepção dos participantes
           
09:30 – Abertura
             Manuel Teixeira, CENIT
             Prof. Isabel Cantista, AESE e Managing Partner da FFI
09:45 – Internacionalização de empresas - Conferência-colóquio
             Prof. Adrián Caldart, AESE
11:00 – Coffee-break
11:30 – Trabalho de grupo
12:15 – Sessão Geral
             Prof. Manuel Aguiar, AESE e ASM - Angola School of Management, de Luanda
13:30 – Almoço
15:00 – Painel de Empresas e Empresários
            Moderador do Painel de Empresários
            Paulo Vaz, Director-Geral da ATP
            Havaianas – Marta Lima, Country Manager
            Minissa – Adélia e Sheila Tique, Empresárias/Estilistas Moçambicanas
            Elizabeth Santos – Designer Angolana
            Parfois – Sérgio Marques, Director Marketing
            Tiffosi - Rui Silva, Director de Expansão
17:30 – Sessão de Encerramento
            João Costa, Presidente da Associação Pólo da Moda

Fonte: Portugal Têxtil

8 de nov de 2011

GUERRA ABERTA NAS SEMANAS DA MODA

Milão e Nova Iorque declararam guerra e já fizeram a primeira vítima: Londres. As organizações não se entendem sobre as datas das suas respectivas Semanas de Moda para a Primavera-Verão 2013, que arriscam entrar em colisão face à sobreposição de calendários.
dummy
Guerra aberta nas semanas de moda

Em geral, as Semanas de Moda sucedem-se: oito dias para Nova Iorque, depois cinco para Londres, sete para Milão e, por fim, nove dias para Paris. E isto duas vezes por ano.
Para o Outono 2012, esta ordem foi alterada, criando um quebra-cabeças para os jornalistas e sobretudo para os compradores dos grandes armazéns e lojas multimarca. Na origem está o calendário da Semana de Moda de Milão que se sobrepõe ao último dia da Semana de Nova Iorque e à totalidade dos desfiles da Semana da Moda de Londres. E para as casas de moda, este conflito tem consequências ainda mais terríveis. Como imaginar que ninguém assistirá ao seu desfile, que custa tão caro e é a montra por excelência da marca?
Os causadores desta tormenta no planeta Moda foram, contudo, os responsáveis pela organização da Semana de Moda de Nova Iorque que, sem concertação com os seus pares, decidiram avançar as suas datas para de 13 a 20 de Setembro de 2012. Londres, por sua vez, também avançou as suas datas para de 21 a 25 de Setembro de forma a acompanhar Nova Iorque. E aí Milão reagiu. Nada de alterar datas, retorquiu a Camera Nazionale della Moda Italiana, justificando-se com o curto espaço de tempo que restaria à indústria para produzir as colecções.
Uma posição que o seu presidente, Mario Boselli, reiteraria dias depois: Milão não modificará as datas inicialmente previstas antes dos anúncios «surpresa» de Nova Iorque e de Londres. Os jornalistas de moda e os compradores terão, assim, que escolher o seu campo.
Milão tinha informado já em Março de 2010 todo o sector da moda que os seus desfiles decorreriam de 19 a 25 de Setembro de 2012, «na medida em que nenhum outro acordo tinha sido concluído e nenhuma objecção tinha sido levantada sob este tema». Denunciando uma atitude «arrogante e agressiva» por parte de Nova Iorque e de Londres, que avançam na sua opinião «argumentos injustos que visam impor unilateralmente decisões sem acordo», Boselli diz-se todavia aberto à discussão… para as datas «a partir de 2013».
Nova Iorque, por seu lado, cita um acordo datado de 2008 entre as quatro capitais segundo o qual a sua semana deverá começar na segunda quinta-feira do mês de Setembro. O que cai, este ano, mais tarde do que é habitual.
No entanto, para Milão e Paris, Nova Iorque está a agir de má fé. Este acordo, de há três anos atrás, não pode ser reconduzido de forma tácita. O CFDA, que organiza os desfiles nova-iorquinos, espera ainda ultrapassar o impasse. «Estamos em discussões contínuas com todas as cidades e a trabalhar para encontrar uma solução para o conflito no curto prazo mas também um acordo no longo prazo», explicou Steven Kolb, CEO da organização norte-americana. Sublinhando o que está em jogo, Kolb afirma que «se Nova Iorque, Milão e Londres apresentam desfiles sobrepostos, todos estamos em perigo». Daí a urgência de «encontrar uma solução que responda aos interesses das quatro cidades».
Do ponto de vista económico, as Semanas de Moda de Milão e de Paris pesam consideravelmente mais do que Londres e até Nova Iorque. Segundo diversos observadores, a capital britânica é a grande perdedora do conflito, já que os seus desfiles correm seriamente o risco de se verem preteridos face a Milão. 
Apenas Paris, que termina a maratona dos 29 dias habituais de desfiles, escapa a esta guerra de calendários. A Cidade-Luz mantém as datas anunciadas na última Primavera, de 25 de Setembro a 3 de Outubro e, deste modo, sem qualquer rota de colisão com as outras Semanas da Moda.   

Fonte: AFP
   

MALKOVICH ABRE LOJA EM PARIS

Por um período limitado em Dezembro, a linha “Technobohemian by John Malkovich” estará à venda na capital francesa. A loja pop-up oferece a colecção de vestuário de homem para a Primavera-Verão 2012 criada pelo actor e realizador de Hollywood em parceria com o italiano Ricardo Rami.
 
dummy
Malkovich abre loja em Paris
Para estar mais próximo dos consumidores europeus, John Malkovich vai abrir uma loja de moda pop-up em Paris perto da quadra natalícia, que oferecerá a sua nova linha de vestuário para homem. Para marcar o lançamento comercial da colecção produzida em Itália e baptizada “Technobohemian by John Malkovich” antes da mesma estar à venda ao público, o que acontecerá entre 5 e 24 de Dezembro, o actor e realizador de Hollywood será o anfitrião de uma festa VIP na capital francesa.
Criada há três anos, a marca de Malkovich estava até agora limitada à venda em 12 lojas por todo o mundo, mas a colecção para a Primavera-Verão 2012 será assim lançada ao público em geral nesta época de Natal. Considerada como “dandy e boémia” em termos de estilo, a linha – que foi já apresentada numa loja pop-up em Milão no passado mês de Setembro – é direccionada para «homens modernos que se preocupam com a forma como se apresentam e estão firmemente implementados no século XXI», explica Liliana Pavesi Serri, responsável de retalho internacional da marca, à AFP.
Denominada Opificio JM, a concept store temporária apresentará fatos, camisas, gravatas e acessórios juntamente com uma selecção de artigos de luxo da Toscânia, de joalharia a obras de arte e perfumes escolhidos por Malkovich, cuja esposa é italiana.
Deste modo, todos aqueles que passarem por Paris e se declararem fãs das criações de moda do actor norte-americano vão poder colocar no seu sapatinho, por exemplo, um fato Malkovich por cerca de 600 euros ou uma camisa por 150 euros.
A estrela da 7ª Arte, que estudou design de figurinos para teatro na juventude, criou a linha “Technobohemian” em parceria com um designer e amigo italiano, Ricardo Rami. «John sempre teve uma paixão por moda e design», afirma Pavesi Serri. «A sua inspiração é o mundo do cinema, do teatro e a rua – ele é uma pessoa que fica feliz por apanhar o metro quando está em Paris». O actor americano faz os esboços dos designs e selecciona os tecidos para as peças de vestuário, que são produzidas por Rami no centro industrial de Prato, em Itália, onde a marca Opificio JM está sedeada.
 
fonte: Portugal Textil

6 de nov de 2011

VINTAGE MODERNO

QUEM DISSE UE O VISUAL VINTAGE PRECISA SER CAFONA? NUNCA!UNE-SE O MODERNO AO ANTIGO, O PRESENTE AO PASSADO E TEM ESTE LOOK QUE OUSA !





Este vintage eu uso, eu ouso!


Bjs Kris Melo

PRIMAVERA URBANA

São Paulo, cidade típicamente urbana. As mulheres saem as ruas com suas estampas, quebrando o clima cinzento dos edíficios, deixando a cidade com todo o ar primaveril




Cadê o cinzento da cidade? Nunca existiu porque a Primavera está na alma das paulistanas!

Kisses


Kris Melo

Estilo Animal Print

A moda Aminal Print, onde uno o luxo desta tendência africana 
 ao calor da mulher brasileira.





Está o jeito da mulher brasileira não?!!! rsss Amei! 

Bjs Kris Melo

3 de nov de 2011

DICAS PARA VESTIR NO TRABALHO

Uma das novidades mais inesperadas que surgiu durante a última Semana da Moda de Nove Iorque foi lançada por Bill Cunningham, reputado especialista em moda e fotógrafo do The New York Times, que vaticinou a morte do “casual Friday”. O vestuário de negócios está de regresso!
 
dummy
Dicas para vestir no trabalho
Camisas de abotoar tipo Oxford, saias lápis e vestidos de bainha para as mulheres e os blazers sob medida para homens (e mulheres) estão de regresso este Outono.
Seguindo esta tendência temos a MadMen Collection da Banana Republic, popularizada pela série de televisão sobre Madison Avenue na década de 1960. Com esta recente colecção da Banana Republic, já não é necessário um salário de seis dígitos para usar fatos lustrosos ou vestidos de cinta e saltos altos.
Claro que, como qualquer profissional experiente sabe, possuir uma aparência elegante no trabalho nunca saiu de moda. Quer se esteja na sala de reuniões ou de pé junto à máquina de café, a forma como uma pessoa se veste influencia o modo como a percepcionam. Mesmo na sexta-feira informal, sandálias de dedo enviam uma mensagem tão acentuada quanto uma camisa à medida e sapatos bem engraxados, mas o conteúdo da mensagem não poderia ser mais diferente.
No entanto, existem algumas dicas, juntamente com uma advertência: a última moda – usada no centro de Nova Iorque, não encaixa bem num ambiente mais conservador, por isso aproveite as indicações do seu superior hierárquico nesta matéria.
Dicas para os homens: procure uma aparência limpa, arranjada e polida; utilize uma camisola interior para ocultar a transpiração e os pêlos no peito; use um colarinho recto de dimensão intermédia; as mangas do blazer devem deixar visíveis 2 cm do punho da camisa; a ponta da gravata deve ficar logo acima da fivela do cinto; utilize gravatas com riscas, sólidas, ou com padrões pequenos; não utilize meias com furos ou velhas; os sapatos devem ser engraxados antes de cada utilização; os sapatos e o cinto devem condizer.
Dicas para as mulheres: evite as roupas mal ajustadas (muito pequeno ou demasiado grande); mantenha-se nos clássicos, como um fato de duas peças, um vestido de cor neutra (preto, cinzento, azul marinho, bege), ou uma calça de fato; adicione carácter ao fato com uma camisa clássica bem escolhida, bem ajustada, branca ou de uma cor que complemente a sua tez, evite camisas que revelem o decote; o comprimento da manga deve bater na base do pulso; escolha comprimentos de saia com cuidado, existem três tamanhos padrão: comprimento do joelho para negócios formais, uma polegada acima do joelho para um aspecto profissional, mas relaxado, e o comprimento do tornozelo que deve ser evitado a todo o custo; os sapatos devem ser poderosos mas femininos; mantenha as jóias simples e de bom gosto, não na moda; as bolsas deve ser clássicas, estruturadas em forma e de material de boa qualidade.
 
fonte:João Areias

DESFILE " TEMA -ALEXANDER MCQUEEN "

2 de nov de 2011

Look Fashion Blue Jeans

Estephanni Miranda: MODA BRASIL & BRASIL - por Kris Melo

Estephanni Miranda: MODA BRASIL & BRASIL - por Kris Melo: Você conhece a fan page no facebook da nossa querida Kris Melo? Designer e Consultora de moda da K & D Consultoria em Moda e Negócios da ...

AS SAIAS DE MARIA

QUARTA-FEIRA, 2 DE NOVEMBRO DE 2011

“AS SAIAS DA MARIA”

O espaço Quadra, em Matosinhos, inaugura no próximo dia 12 de Novembro, pelas 18 horas, uma exposição retrospectiva dos 18 anos de carreira da designer de moda Maria Gambina, intitulada "As Saias da Maria".
A mostra propõe uma digressão pelo universo criativo de Maria Gambina - referências, motivos e pretextos que inspiram as suas colecções - centrando-se numa das peças que melhor traduz esse universo: a saia. “São saias estampadas, saias inspiradas na música, saias com elementos streetwear, saias feitas com elásticos… São saias muito ricas, saias com materiais diferentes e muito actuais, são saias com muito ritmo”, afirma Maria Gambina.
Se há alguns anos uma música era capaz de inspirar uma colecção inteira, actualmente a designer evita a repetição: “As saias são como uma casa, são construídas com vários elementos, e se antes o resultado era muito trabalhado, a tendência é limpá-lo cada vez mais”.
Depois das exposições e eventos organizados no espaço Quadra dedicados ao trabalho do ilustrador Isidro Ferrer e do designer David Carson, a ESAD e a Câmara Municipal de Matosinhos apresentam agora “As Saias da Maria”, prosseguindo com a missão de colocar Matosinhos na rota do design a nível nacional e internacional.

TRANSFUSÃO DE MODA EM LISBOA

urante quatro dias, Lisboa foi o grande palco da moda nacional. Sob o mote Transfusion, 26 criadores e marcas mostraram, entre o Pátio da Galé e os Paços do Conselho, as novas colecções para a Primavera-Verão do próximo ano, num evento que já se tornou uma referência para a capital portuguesa.
dummy
Transfusão de moda em Lisboa
«Transfusion é fusão e transferência, visão e transnacionalidade. A moda apresenta-se como ideologia, expressão e imagem. Ficar de fora é fechar os olhos, ignorar os sentidos ou viver a vida em sentido contrário». Foi com este “mantra” que a organização anunciou o evento de moda da capital e, entre 6 e 9 de Outubro, ninguém quis ficar de fora dos desfiles de alguns dos maiores criadores e marcas, nacionais e internacionais.
No primeiro dia, Os Burgueses estiveram em destaque. A dupla Eleutério e Mia abriu o calendário de desfiles com uma colecção inspirada «no encontro entre os filmes clássicos e a ficção científica, quando Eliza Doolittle (de My Fair Lady) entra em conversa com Mr. Spock». Malhas, sarjas, cambraias e pequenos apontamentos em pele estiveram em destaque.
Alexandra Moura, por seu lado, apresentou “O Princípio da Incerteza”, uma colecção marcada por linhas rectas que se ”descolam” do corpo, com os volumes e o contraste de comprimentos curto/comprido a marcar as peças. Já Pedro Pedro apostou no contraste entre cortes depurados e minimalistas e tecidos profusamente ornamentados, numa colecção onde predominaram as silhuetas soltas e os looks casuais, numa colecção inspirada pelo sportswear clássico dos anos 50 e pela heráldica equestre.
A dupla Alves/Gonçalves fechou o primeiro dia, após o desfile da colecção de Maria Gambina, onde jogos de falsos plissados em materiais inesperados e a sobreposição de camadas estiveram em destaque na colecção feminina e as propostas de homem sublinharam uma atitude descontraída.
A comunidade cigana inspirou a colecção andrógina de V!tor, que abriu o segundo dia de ModaLisboa. «Não sou cigano, mas às vezes sinto-me cigano. Isso é parte de mim», explicou o criador sobre a colecção com silhuetas em forma de V, passíveis de vestir tanto homens como mulheres.
Ricardo Preto desvendou, por seu lado, uma nova silhueta, «geometrizada por trapézios e por cinturas que brincam na geografia do corpo». Com Jerry Hall como ideal feminino, o criador mostrou na passerelle uma mulher altiva e ultra-feminina.
Depois da colecção de Luís Buchinho, inspirada no universo greco-romano mas sob uma perspectiva tropical, e antes de Ana Salazar encerrar o segundo dia de desfiles, foi a vez de uma marca sul-americana encher a passerelle de cor e praia. A Cia. Marítima apostou em looks retro com detalhes em croché, estampados geométricos e padrões de riscas, aos quais juntou os seus estampados icónicos: leopardo e cobra.
A estreia da marca Saymyname, da autoria da designer de moda Catarina Sequeira, Ricardo Andrez, Filipe Faísca, Lidija Kolovrat, Dawid Tomaszewski (também uma estreia), Adidas, White Tent e Nuno Baltazar foram os protagonistas do terceiro dia da ModaLisboa. “Ma Dame”, a colecção de Nuno Baltazar dedicada a «mulheres cosmopolitas e dinâmicas», encerrou a passerelle do dia 8 de Outubro, numa conjugação de peças urbanas e femininas, com silhuetas fluidas e dinâmicas e calças e casacos estruturados a combinarem-se com tops leves e fluidos, com cores fortes como azul, verde, azul-marinho e vermelho a constituírem a paleta de tons para a Primavera-Verão 2012.
No último dia, Daniel Dinis abriu “as hostilidades” com uma colecção inspirada pelo Norte do país. «Tem a ver com memórias da minha infância, quando passava o Verão no norte de Portugal; com a simplicidade que se vive no Verão do campo, das férias à beira-mar. Esta ideia afigura-se num guarda-roupa só pensado para as horas de lazer, que são cada vez mais preciosas e raras», explica o criador.
Marques’ Almeida, Katty Xiomara, Miguel Vieira e Aleksandar Protic foram os nomes que se seguiram na passerelle da ModaLisboa. Partizen foi o tema escolhido por Nuno Gama para a sua nova colecção, onde os blazers e os fatos estiveram em destaque. «O toque, o corte e o conforto elitizam a diferença, contrapondo-se ao vestuário normalmente despretensioso da estação. Os algodões, puros ou em misturas e acabamentos técnicos extremamente sofisticados, renovam o new look Dandy», revela Nuno Gama.
O último dia de ModaLisboa ficou ainda marcado pelas propostas de Ricardo Dourado, marcadas pela vivência de rua, com materiais de toque seco, crepes e algodões, e pela irreverência de Dino Alves, que encerrou o calendário de desfiles. «Porque os tempos mudam e os comportamentos acompanham as novas ordens e sistemas, crio aqui estilos e tendências a que chamo Novo Romântico (formas calculistas, austeras, geométricas, minimais); Novo Chique (menos ostensivo, mais despojado, simplista, dependente de uma atitude); Novo Folk (misturas e excessos); e Novo Sexy (novos jogos de transparências)», indicou o criador. Formas austeras, geométricas e minimais misturaram-se com looks excessivos, jogos de transparências e muita cor: branco, preto, cinza, beringela, rosa, amarelo, azul-bebé, verde água e castanho.

Um verdadeiro sucesso que o município pretende manter na agenda cultural da cidade. «Este é um dos eventos mais importantes da agenda criativa da cidade e é uma parceria com muitos anos entre o município e a Moda Lisboa», explicou António Costa, presidente da Câmara de Lisboa. Em declarações ao jornal Económico, António Costa revelou que apesar dos custos – a ModaLisboa custa ao município 640 mil euros por ano, cerca de 320 mil euros por edição – a parceria está «de boa saúde» e «para durar», até porque a iniciativa «tem tido retorno ao longo dos anos» para o município.
fonte: Portugal Têxtil

  FONTE: DAYLI MODA LISBOA