26 de ago de 2014

COR E DINAMISMO NA NOVA CAMPANHA MARC BY MARC JACOBS

Em abril passado, Marc Jacobs lançou a iniciativa #CastMeMarc no Instagram e Twitter, para descobrir novos rostos para a campanha outono/inverno 14/15 da marca Marc by Marc Jacobs. O objetivo era criar uma publicidade que transmitisse juventude e energia, de modo a recuperar o espírito que a marca tinha quando foi lançada. “Para ser outra coleção e não uma segunda linha", declarou Marc Jacobs ao WWD. As primeiras imagens da campanha acabam de ser reveladas e cumprem inteiramente os objetivos.

Das 70.000 candidaturas, a marca selecionou cerca de 30 de todo o mundo, incluindo Austrália, Rússia, Coreia do Sul e Nova Iorque. Deste grupo foram escolhidos nove finalistas. David Sims fotografou-os e o resultado é uma campanha bastante colorida e jovem, que será revelada na totalidade na edição de agosto da Teen Vogue.

3 de ago de 2014

CHANEL APRESENTA A SUA NOVA CURTA-METRAGEM “PRIVATE VIEW”

A noite parisiense, o luxo intemporal de Chanel e as aparências que, como habitualmente, iludem. Amanda Harlech interpreta uma cliente muito especial em “Private View”, a nova curta-metragem da casa Chanel, que foi filmada na icónica loja da marca parisiense, na Rue Cambon.

Jamie Bochert está à espera de alguém especial para uma apresentação privada. Nos salões que um dia acolheram a genialidade inconfundível de Coco Chanel, um grupo de modelos - Lindsey Wixson, Nadja Bender, Ashleigh Good e Soo Joo Park - desfila a coleção outono/inverno 14/15.

O final feliz da apresentação é a melhor premonição do que poderá acontecer no final deste mês, quando a coleção chegar às lojas da marca.

LEGADO DE HUBERT DE GIVENCHY CHEGA AO MUSEU THYSSEN DE MADRID

Hubert de Givenchy é o protagonista da exposição de outono do Museu Thyssen de Madrid. Com curadoria do próprio Hubert de Givenchy, a mostra vai focar as suas criações mais icónicas desde a fundação da sua Maison em Paris, em 1952, até ao seu último desfile, em 1995.

A exposição inaugura no final de outubro e estará patente ao público durante três meses. Em exibição estarão os mais elegantes vestidos que Hubert de Givenchy desenhou para algumas das personalidades mais icónicas do século XX, incluindo Jacqueline Kennedy, a duquesa de Windsor, Caroline do Mónaco e a sua musa e amiga Audrey Hepburn (a quem o criador vestiu para filmes como “Sabrina”, "Fanny Face" e “Breakfast at Tiffany’s”); exemplos das suas criações mais originais, como a “Bettina blouse” e o “sack dress", e peças das suas coleções de pronto-a-vestir. Estas criações serão exibidas ao lado de obras de diferentes períodos e estilos pertencentes às coleções do Museu Thyssen.

A extrema elegância sempre foi a principal marca das criações clássicas de Hubert de Givenchy, um francês reconhecido mundialmente pelo seu trabalho requintado. Hubert de Givenchy cresceu no seio de uma família protestante em Beauvais, onde o seu avô tinha uma fábrica de tapetes e colecionava tecidos, móveis e outros objetos típicos da época. Desde muito cedo, Hubert de Givenchy demonstrou um grande interesse pela moda. Aos dez anos, ao visitar uma exposição de figurinos dos mais famosos criadores franceses, identificou-se imediatamente com o universo luxuoso da Alta Costura. Aos 17 anos, foi para Paris, levando uma pasta cheia de desenhos. Trabalhou com nomes importantes da moda parisiense como Jacques Fath, Robert Piguet, Lucien Lelong, Christian Dior e Elsa Schiaparelli. Em 1952, abriu a sua própria Maison e o reconhecimento foi quase imediato. No ano seguinte, conheceu Balenciaga, que, segundo as suas próprias declarações, foi o seu grande mestre e fonte de inspiração. A influência de Balenciaga refletiu-se em muitas das suas criações e no evidente gosto pela elegância e estrutura minimalista das peças de roupa.

Hubert de Givenchy foi o primeiro criador de Alta Costura a apresentar uma coleção feminina de pronto-a-vestir, intitulada "Givenchy Université", em 1954. Em 1957, lançou o seu primeiro perfume. Em 1973, entrou para o mundo da moda masculina, com o lançamento da linha Gentleman Givenchy.

Em 1981, a Maison Givenchy foi comprada pelo Grupo Louis Vuitton Moët Hennessy. Hubert de Givenchy deixou o seu cargo como diretor criativo em 1995 e foi sucedido por John Galliano. Alexander McQueen e Julien MacDonald assumiram mais tarde a direção criativa da casa e hoje cabe ao italiano Riccardo Tisci dar continuidade ao legado de Givenchy.