26 de jun de 2012

RAY-BAN CELEBRA 75º ANIVERSÁRIO




A icónica marca de óculos Ray-Ban comemora o seu 75º aniversário com uma campanha publicitária muito especial e o lançamento da coleção Legends, que reedita alguns dos seus modelos clássicos e os adapta aos dias de hoje. Destaque também para Ambermatic, uma nova versão dos emblemáticos óculos aviador com armações mais finas e lentes amarelas sensíveis à luz, que escurecem dependendo do brilho e da temperatura.

Ao longo dos seus 75 anos, a Ray-Ban soube sempre reinventar-se, acompanhar as tendências e evoluir com o desejo dos consumidores, criando modelos que se tornaram verdadeiros ícones de moda como o Ray-Ban Wayfarer, o Aviator e oJackie Ohh, entre outros. O Wayfarer, criado em 1952, foi inspirado nos famosos carros rabo de peixe e tornou-se uma febre na década de 60 ao ser usado por celebridades como Audrey Hepburn, Bob Dylan e John Lennon. Igualmente famoso, o modelo Aviator foi adotado como símbolo dos militares e dos pilotos e popularizado por estrelas da música pop e do cinema como Paul McCartney, Ringo Starr e Freddie Mercury, entre outros. Jackie Ohh é outro clássico dos anos 1960, que não perde força com o passar dos anos. O seu nome deriva do apelido da primeira-dama dos Estados Unidos, Jacqueline Kennedy - Jackie O - que adotou este modelo como o seu favorito.

Para celebrar o seu aniversário e apresentar os principais modelos de óculos da sua trajetória e os que mais se destacaram em cada década, a Ray-Ban lançou a campanha Legends, que revitaliza o slogan da marca, Never Hide.

1930 - foi lançado o modelo Aviator
1940 - Clubmaster foi o modelo da década
1950 - foi lançado o Ray-Ban Wayfarer.
1960 - Cat Eye foi o destaque da coleção.
1970 - o estilo round foi eleito o melhor do ano.
1980 - regressa o estilo Cat Eye com armações mais robustas.
1990 - o ano do estilo Geek. Nesta década os óculos graduados deixaram de ser utilizados para correção visual e tornaram-se um acessório de moda.

E para completar a comemoração, a Ray-Ban vai lançar em setembro o livro Legends: Untold Stories, de edição limitada e com retratos raros dos principais fãs da marca, como James Dean e Michael Jackson.









21 de jun de 2012

LOUIS VUITTON PRESTA HOMENAGEM A YAYOI KUSAMA COM “DOTS INFINITY”


A parceria entre a consagrada artista contemporânea japonesa Yayoi Kusama e a Louis Vuitton está cada vez mais forte. Depois de patrocinar a primeira retrospetiva de Kusama na galeria Tate Modern, em Londres, no início desse ano, a casa de moda francesa presta-lhe agora homenagem através da coleção “Dots Infinity”. A linha de pronto-a-vestir e acessórios inspirada nas obras mais emblemáticas de Yayoi Kusama foi criada por Marc Jacobs, diretor artístico da marca, em colaboração com a própria artista. As peças, que variam desde pijamas até trench coats, estarão à venda a partir do próximo dia 10 de julho nas lojas Louis Vuitton de todo o mundo.

Marc Jacobs e Yayoi Kusama conheceram-se em 2006, quando a artista recebeu o designer no seu estúdio, em Tóquio. Na ocasião, Yayoi Kusama ofereceu a Marc Jacobs uma bolsa Louis Vuitton personalizada. Os tradicionais monogramas da marca estavam cobertos com a sua marca registrada: as bolas. Marc Jacobs adorou o presente e presta agora homenagem à artista, aplicando as suas múltiplas bolinhas a uma coleção.



CHLOÉ COMEMORA 60º ANIVERSÁRIO




A casa Chloé, criada em 1952 por Gaby Aghion, comemora este ano o seu 60º aniversário. Para assinalar a data, a comissária Judith Clark está a organizar a primeira exposição inteiramente dedicada à marca francesa, no Palais de Tokyo, em Paris.

A mostra intitula-se “Chloé Attitudes” e traça a história da Chloé, através de um percurso temático. Em exibição estarão setenta das criações mais emblemáticas desenhadas pelos diferentes designers que passaram pela direção artística da casa francesa, assim como fotografias e ilustrações de arquivo nunca antes expostas. A Chloé apresentará ainda uma reedição das suas dezasseis peças mais icónicas, como o vestido Violino de Karl Lagerfeld (primavera-verão 1983), a t-shirt Ananás de Stella McCartney (primavera-verão 2001) e a bolsaPaddington de Phoebe Philo (primavera-verão-2005).

A exposição estará patente de 29 de setembro a 18 novembro de 2012, no Palais de Tokyo, e as 16 peças reeditadas estarão disponíveis nas lojas da marca a partir de fevereiro de 2013.

ESPACE CULTUREL LOUIS VUITTON APRESENTA “TURBULENCE”


Entre 21 de junho e 16 de setembro de 2012, o Espace Culturel Louis Vuitton, em Paris, apresenta “Turbulence”, uma exposição que reúne o trabalho de 11 artistas de diferentes nacionalidades, que exploram a arte de brincar com a turbulência.

Atualmente, com o auxílio das novas tecnologias ou de técnicas rudimentares, de imagens virtuais ou de desenhos de linhas tradicionais, artistas de diferentes horizontes exploram as múltiplas possibilidades estéticas e filosóficas da noção de turbulência. Desenvolvem também inúmeros sistemas gráficos, pictóricos ou de notação escultural permitindo “mapear” estes movimentos espontâneos e desconcertantes da matéria.

As instalações imersivas de espaço e vídeo de Pascal Haudressy e Ryoichi Kurokawa, que misturam imagens, sons e esculturas; os ventiladores e turbinas de Attila Csörgo, Zilvinas Kempinas, Petroc Sesti ou Jorinde Voigt, que geram turbilhões ou remoinhos; a aparente parede liquidificada de Loris Cecchini; as esculturas de Sachiko Kodama, que mudam constantemente de acordo com as variações dos campos magnéticos; os fluxos e ondas mecânicas de Élias Crespin; o campo turbulento de cor de Miguel Chevalier para se explorar com o olho e o corpo; as mutações de pixéis de Angela Bulloch.

Vórtex, fluxo, aceleração, efervescência: os trabalhos apresentados no Espace Culturel Louis Vuitton atuam como “turbinas”, gerando processos, estruturas e formas em constante evolução. Ordem e desordem criam um campo fértil e dinâmico.


ESPACE CULTUREL LOUIS VUITTON
60, rue de Bassano
101, avenue des Champs-Élysées
75008 Paris
www.louisvuitton.com/espaceculturel


IMAGENS (da esquerda para a direita):

Angela Bulloch
Progression de 8 pixels pervertis, 2008

Petroc Sesti
Literal Form, 2012

Attila Csörgo
How to Construct an Orange? II (detail), 1993-2006






“HAPPY” BY LANVIN


Há dez anos que Alber Elbaz renova os códigos da mítica Jeanne Lanvin e os traduz em fabulosas criações. Para celebrar esta prodigiosa década, Lanvin lança “Happy”, uma coleção cápsula de acessórios que enaltece a eterna elegância da casa francesa e estará à venda nas lojas da marca a partir de agosto.

Nascido em Casablanca, em Marrocos, Alber Elbaz mudou-se com a família aos oito meses para Israel, onde, mais tarde, estudou design durante quatro anos no Shenkar College, em Tel Aviv. Desde então, já morou nos Estados Unidos e em Itália. Hoje vive em Paris, França, mas cria para mulheres do mundo inteiro. Segundo a sua filosofia, a moda deve ser intemporal e abraçar a liberdade da mulher atual. É com esse espírito livre e determinado, que Elbaz trabalha e vive. Desde que assumiu a direção artística da Lanvin, o designer tem apostado em looks sofisticados complementados com requintados acessórios. Alber Elbaz acredita que a moda, mais do que vestir, deve fazer sonhar e trazer felicidade, pelo que a sua nova coleção de acessórios não poderia ter outro nome que não fosse “HAPPY”.

FOTOS: Cortesia Lanvin




Chanel desfila em Versalhes


A mítica casa de moda francesa trocou a luxuosa Riviera Francesa pelos sumptuosos jardins do palácio de Versalhes para apresentar a sua nova coleção “cruzeiro”, que navega pelos falsos denims, os pastéis e os brancos luminosos.
 
dummy
Chanel desfila em Versalhes
Instaladas no bosque das três fontes, tendas decoradas com flores-de-lis, associadas à monarquia francesa, acolheram 200 convidados criteriosamente escolhidos. Na primeira fila, as atrizes Vanessa Paradis e Tilda Swinton, acompanhadas do criador de moda Haider Ackermann, da realizadora Maïwenn ou ainda da ex-manequim Inès de la Fressange, eterna musa da Chanel.
Sob luminosos raios de sol, refrescados pela leve brisa emanada das fontes, as jovens modelos com falsos ares de Maria Antonieta versão Sofia Coppola, envergando vestidos de musselina, jogavam uma modernidade anacrónica com os seus ténis compensados, em ouro ou prata.                 
As exóticas perucas em rosa ou azul celeste, de corte curto e franja tipo Beatriz Costa, colocadas sobre rabos-de-cavalo penteados com grandes nós em tons pastéis contrastavam com olhares maquilhados em cores escuras. O logótipo da Chanel desenhado na face, em diminuto tamanho, afigurava-se a uma mosca.
Os primeiros modelos da linha “cruzeiro”, saias plissadas de cintura subida que se abriam de forma exagerada após os quadris, como o início de uma crinolina, com amplos bolsos, pintadas em azul indigo desbotado, ostentavam a inconfundível assinatura do diretor criativo da casa, Karl Lagerfeld. As calças ou saias-calções, largas, combinavam com pequenos casacos justos cujas mangas se abriam, exibindo um punho rendado como as camisas masculinas da época do Rei Sol.  
Com coordenados rosa ou verde-claro, as manequins usavam em volta do pescoço largas faixas de cristais e, nas orelhas, grandes brincos de pérolas. Alguns calções curtos e fatos de banho com cortes sofisticados completavam o guarda-roupa palaciano de Lagerfeld.  
Para a noite, primou o branco, por vezes bordado a ouro ou com lantejoulas. Os vestidos ultraleves recobriam os ombros e terminavam nos cotovelos, desnudando discretamente a parte superior das costas. Uma indumentária mais rock casava um casaco curto de lantejoulas pretas e um vestido com sobreposições de delicada musselina.    

fonte: AFP

GUGGENHEIM MUSEUM EXPÕE PINTURA DE KANDINSKY




A partir do próximo dia 25 de junho, o Guggenheim Museum, em Nova Iorque, presta homenagem a um dos mais célebres pintores do século XX:Vasily Kandinsky .

Um dos pioneiros da arte abstrata e teórico estético, Vasily Kandinsky (1866-1944) acreditava que, mais do que imitar o mundo natural, a tarefa do pintor era a de transmitir o seu mundo interior. Kandinsky é uma figura central na história do Guggenheim Museum. As suas obras não só representam uma parte do núcleo e da essência da coleção do museu, como inspiraram também a criação do edifício. Em 1929, Solomon R. Guggenheim começou a colecionar telas do artista e em 1943, entusiasmado pela arte abstrata, convidou Frank Lloyd Wright para se inspirar nela e projetar o que se viria a tornar-se uma das maiores obras-primas do arquiteto: o Solomon R. Guggenheim Museum, inaugurado em 1959.

A exposição que o museu dedica agora a Kandinsky foca o período de 1911–1913, apresentando uma série de pinturas concluídas no momento em que o artista avançou para a abstração total e publicou o seu tratado estético On the Spiritual in Art (1911). Em exibição estarão também pinturas de Robert Delaunay e Marc Franz, que foram exibidas ao lado da obra de Kandinsky, em março de 1912, na exposição “Der Blaue Reiter” (O Cavaleiro Azul), realizada na Moderne Galerie Heinrich Thannhauser, em Munique.

LOUIS VUITTON RECRIA O GLAMOUR DAS VIAGENS


Recriar o glamour das viagens de forma cinemática é o objetivo da nova campanha outono/inverno 2012-2013 da Louis Vuitton. A luxuosa marca francesa reproduziu uma estação de comboios no seu último desfile na Semana de Moda de Paris e pretende agora prosseguir viagem. O interior do Expresso Louis Vuitton foi reconstruído, com pormenores de requinte e extravagância, num estúdio em Nova Iorque, tendo a locomotiva já partido numa nova aventura, que terminará em Xangai a 19 de julho.

Nas imagens capturadas por Steven Meisel, dez jovens viajantes, acompanhadas de quatro bagageiros, exibem a silhueta em A alongada da coleção outono/inverno 2012-2013 da Louis Vuitton. Sobressaem opulentos brocados, sobretudos decorados com botões-joia sobre midi vestidos em shantung, saias de couro, calças com bordados na bainha e as malas destaque da estação - Sunshine Express com monograma em lantejoulas; Leopard preta e branca; e Transsibérien em pelo de cabra descorado e com uma fivela-joia. Mantendo o tema das viagens, a icónica bagagem em tela Monograma da Louis Vuitton é guardada numa prateleira superior ou transportada por um bagageiro.

Apesar de toda a sumptuosidade, Steven Meisel conseguiu tornar o ambiente leve e romântico. “Nesta temporada existe uma leveza e uma magia em tudo — que é visível de forma perfeita nestas imagens”, afirma Marc Jacobs, diretor criativo da Louis Vuitton.

A campanha inclui um total de 10 imagens e será lançada nas edições de agosto de revistas do mundo inteiro.




15 de jun de 2012

MAISON MARTIN MARGIELA DESENHA COLEÇÃO PARA H&M



A ‪H&M‬ acaba de anunciar mais uma colaboração de luxo para o outono de 2012. Depois de Karl Lagerfeld, Stella McCartney, Viktor & Rolf, Matthew Williamson, Sonia Rykiel, Comme des Garçons, Jimmy Choo, Marni, Lanvin e Versace, entre outros, chega a vez da MAISON MARTIN MARGIELA desenhar uma coleção exclusiva para a cadeia de moda sueca. As propostas da famosa casa de moda francesa, reconhecida pela sua estética concetual e vanguardista, estarão à venda a partir de 15 de novembro, em cerca de 200 lojas H&M de todo o mundo.

A MAISON MARTIN MARGIELA - fundada em 1988, em Paris, pelo designer belga Martin Margiela - seguiu sempre um caminho muito próprio, ultrapassando, na maioria das vezes, o contexto da moda convencional e questionando constantemente os seus padrões. Os seus ideais fundamentam-se na procura do concetual e da criatividade. Através de técnicas de desconstrução e transformação, desenvolve coleções que reinventam volumes, modificam formas, alteram o uso original e o movimento das peças de roupa e desafiam as noções clássicas do que é a moda.

A casa de moda francesa está contente por poder apresentar as suas peças juntamente com a ‪H&M‬, e oferecer uma nova interpretação da sua visão. “A democracia da nossa moda tem estado sempre no centro da nossa criatividade, e a colaboração com a ‪H&M‬ permite-nos levar este ímpeto ainda mais longe. Juntaremos os universos distintos das duas casas com resultados que irão surpreender a todos.”

Veja os vídeos abaixo para saber mais sobre esta arrojada colaboração.




KARL LAGERFELD APRESENTA NOVO PROJETO “THE LITTLE BLACK JACKET”


Nos últimos meses, Karl Lagerfeld dedicou-se a um projeto fotográfico para prestar homenagem ao icónico casaco em tweed preto da Chanel. O projeto está agora finalizado e as fotografias, além de comporem o livro “The Little Black Jacket: Chanel’s Classic Revisited”, estão em exibição até amanhã no Soho de Nova Iorque.


Com a ajuda de uma das figuras mais importantes do mundo da moda, Carine Roitfeld, o Kaiser fotografou 109 celebridades, entre elas: Carine Roitfeld. Anna Wintour, Daphne Guinness, Kirsten Dunst, Linda Evangelista, Claudia Schiffer, Sarah Jessica Parker, Natalia Vodianova, Mark Vanderloo, Kanye West ou Alexander Wang.

Veja algumas dessas fotografias abaixo e saiba mais sobre o projeto em http://thelittleblackjacket.chanel.com/



















PACO RABANNE EM MUDANÇA




Lydia Maurer é a nova diretora artística da linha de pronto-a-vestir da Paco Rabanne. A jovem designer alemã sucede, assim, a Manish Arora, que abandonou a direção da casa francesa em maio passado, pondo termo a um ano de colaboração.

Lydia Maurer, licenciada em Moda pelo Studio Berçot, em Paris, já trabalhou para grandes casas de Alta Costura como Yves Saint Laurent e Givenchy, e promete trazer à Paco Rabanne o mesmo espírito intemporal, sensual e singular construído pelo fundador da casa.

“A determinação de Maurer e a sua sensibilidade única para o universo artístico e experimental de Paco Rabanne vai permitir-nos renovar a nossa casa”, afirmou um representante da marca. “Estamos confiantes que a sua visão e o seu talento pessoal irão posicionar a Paco Rabanne entre as mais desejadas marcas de moda de vanguarda”.

A designer apresentará a sua primeira coleção para a primavera/verão 2013 no próximo mês de outubro, na Semana de Moda de Paris.

HAVAIANAS COMEMORA 50 ANOS




A marca de chinelos mais famosa do mundo comemora 50 anos. Falamos, claro está, da Havaianas, que após cinco décadas está mais jovem e com mais vontade do que nunca de continuar a inovar e a levar a todos os cantos do mundo o seu “Brazilian Spirit”.

Para celebrar o seu aniversário, a Havaianas vai lançar uma edição limitada de chinelos de praia alusiva ao mítico “flip over” que teve lugar na década de 90, quando os consumidores mais trendies da marca viraram os seus chinelos, dando lugar a Havaianas monocromáticas que se tornaram numa moda e numa referência para a marca.



A HISTÓRIA DAS HAVAIANAS

As Havaianas foram lançadas em 1962 pela São Paulo Alpargatas S.A, fábrica aberta em 1907 pelo escocês Robert Fraser em parceria com um grupo inglês. Eram meros chinelos de praia, 100% fabricados em borracha com sola branca e tiras coloridas, inspirados no modelo “Zori” japonês. A ideia do novo chinelo era tão simples que a sua fama espalhou-se como um rastilho de pólvora. Em menos de um ano, a São Paulo Alpargatas fabricava mais de mil pares de Havaianas por dia, o que levou ao aparecimento de diversas imitações, mas "legítimas, só as havaianas, que não deformam, não têm cheiro e não soltam as tiras". Este slogan foi criado pela agência JW Thompson e começou a ser veiculado numa campanha publicitária com o comediante Chico Anysio como protagonista.

Passaram-se anos e as Havaianas não apresentaram qualquer novidade em termos de modelo ou cor, o que resultou numa acentuada queda das vendas. A viragem ocorreu em 1994, com o lançamento do modelo monocromático, Havaianas Top, acompanhado por uma forte campanha de marketing que transformou um simples chinelo popular num artigo de moda. Editoriais de moda, jornais e revistas foram unânimes: as Havaianas Top estavam a provocar uma revolução na moda e no mercado do calçado. Transformaram-se num ícone, num objeto de desejo, numa peça obrigatória de qualquer guarda-roupa.

Com o objetivo de expandir o espírito brasileiro de Havaianas o máximo possível, em 2007 a Havaianas abriu uma delegação nos EUA e um ano mais tarde na Europa. Com a sua chegada à Europa, a Havaianas começou a conquistar os corações europeus com o seu “Brazilian Spirit”. Em 2010, lançou a “Soul Collection”, uma coleção de novos modelos de alpargatas, sapatilhas, ténis, sabrinas, com a mítica sola de borracha da Havaianas no seu interior, garantindo todas as vantagens de conforto, comodidade, suavidade, durabilidade, que a caraterizam. Um ano depois, a Havaianas aplicou a sua diversão, cor e o “Brazilian spirit” a uma coleção de galochas.

Hoje presentes em todo o mundo, desde pequenas lojas a grandes armazéns como as Galeries Lafayette, em Paris, as Havaianas continuam a ser um produto de culto, que calça "do mais pobre ao mais rico", como afirmou o escritor Jorge Amado.



7 de jun de 2012

“ALBER ELBAZ, LANVIN” – O LIVRO


Alber Elbaz tem uma máxima que diz: “Depois da fama, a perfeição é a coisa mais perigosa. Não há nada depois da perfeição". É essa perfeição que confere encanto ao trabalho do designer e o novo livro "Alber Elbaz, Lanvin” - lançado para comemorar a sua primeira década na direção criativa da casa de moda francesa - é outro exemplo da sua busca pelo requinte.

Responsável pela brilhante revitalização da Lanvin, Alber Elbaz é adorado por compradores e imprensa de moda de todo o mundo. Foi a pensar neles e em todos os amantes de moda que a Lanvin lançou esta luxuosa publicação de edição limitada. Além de reunir fotografias dos magníficos vestidos cocktail e criações adornadas com joias que tanto impressionam na Semana de Moda de Paris, "Alber Elbaz, Lanvin” revela todo o trabalho de atelier e processo de conceção de uma coleção de Alta Costura – outono/inverno 2011/12 - desde os primeiros esboços até à apresentação final em passerelle.

Com uma capa revestida a gorgorão de seda, "Alber Elbaz, Lanvin” não é um livro de moda standard. A sua história começa com várias páginas em branco, que não são o resultado de um erro de impressão, como pode parecer ao primeiro olhar. "Começo cada coleção com uma página em branco, que é a parte mais assustadora do trabalho", revela Alber Elbaz. "Preciso de uma história, preciso sonhar para começar a preencher as páginas em branco…"

O livro encontra-se à venda exclusivamente na loja da Lanvin, em Paris - 15 et 22 Rue du Faubourg Saint-Honoré - e em http://www.lanvin.com/.