7 de abr de 2013

São Paulo aquece moda


A antecipação dos desfiles de junho para março fez com que a moda para a estação quente chegasse mais cedo ao Brasil, com a SPFW – que voltou a ter muitas celebridades na passerelle – a revelar em antemão as coleções de 25 designers e marcas para o verão de 2014. 

dummy
São Paulo aquece moda
A São Paulo Fashion Week (SPFW) terminou no passado dia 22 de março, depois de cinco dias em que 25 designers e marcas mostraram as suas coleções para o verão de 2014. As marcas brasileiras Animale, Cori, Tufi Duek e Cavalera deram o “pontapé de saída” na 35.ª edição do evento paulista, que decorreu no cavernoso pavilhão Bienal do Ibirapuera Park.
A modelo americana Karlie Kloss, um dos “anjos” da Victoria’s Secret, mostrou na passerelle as propostas da Animale, compostas por tecidos de seda, simples ou dupla face e misturas com linho, com cortes assimétricos, leves e fluídos. Já a compatriota Lindsey Wilson deslumbrou ao desfilar com as criações da marca Ellus, que propõs looks em tons terra, areia, off-white e preto e em materiais como a seda, organza metalizadas, denim e cetim, entre outros.
Entre outras grandes casas de moda representadas estiveram a Adriana Degreas, Alexandre Herchcovitch, Osklen, Colcci e João Pimenta. A Fause Haten, que desfilou no terceiro dia, a 20 de março, surpreendeu com a utilização de marionetas em vez de manequins, que usaram vestidos de festa, cheios de transparências.
Os organizadores alteraram as datas dos desfiles para se enquadrarem com o calendário internacional, com a edição de verão a realizar-se em março-abril em vez de junho e com a coleção de inverno a dever ser mostrada em outubro-novembro em vez de janeiro.
O diretor criativo da SPFW, Paulo Borges, indicou que o novo calendário, que impediu alguns designers, como Gloria Coelho, de estarem presentes por falta de tempo, pretende alargar o intervalo entre o lançamento e a entrega aos retalhistas. «Qualquer mudança exige esforços adicionais», acrescentou Borges.
A Bienal foi decorada para a ocasião pelos designers brasileiros Fernando e Humberto Campana, dois irmãos que já mostraram as suas criações em Paris, Nova Iorque, Roma e Londres. A ideia era refletir a riqueza de São Paulo, uma área metropolitana com 20 milhões de pessoas que é a capital económica e industrial da sexta maior economia mundial.
Segundo o TexBrasil, o Programa de Exportação da Indústria de Moda Brasileira, o Brasil é o quinto maior produtor têxtil e o quarto maior produtor de vestuário do mundo.
Fonte: Portugal Têxtil