23 de abr de 2013

Schiaparelli convida Lacroix


Christian Lacroix é o primeiro convidado de honra da nova iniciativa batizada “Schiap" destinada a colocar a casa de moda no século XXI. Uma colaboração inédita para uma coleção de 15 peças de homenagem à icónica Elsa Schiaparelli, que será desvendada durante a próxima Semana da Alta-Costura.    

dummy
Schiaparelli convida Lacroix
O mundo da Moda esperava a nomeação de Marco Zanini, atualmente na casa Rochas, como diretor criativo da Elsa Schiaparelli, mas foi Christian Lacroix o nome anunciado … para uma colaboração que marca o primeiro capítulo da renovação da casa de moda adquirida por Diego Della Valle, presidente e CEO do grupo italiano Tod’s, em 2007.  
 
Christian Lacroix vai assinar uma coleção “cápsula” de «15 peças excecionais», que será apresentada durante a Semana da Alta-Costura de Paris em julho, na place Vendôme, «morada histórica da Casa», revela a Elsa Schiaparelli, em comunicado. Seduzido por esta «personagem verdadeiramente aristocrática», já Lacroix explica querer «novamente colocar Elsa no centro da sua casa e no palco a partir do qual seduziu o mundo».
Um acontecimento, batizado “Schiap”, que marca igualmente o início das festividades da casa de moda, que convidará outros artistas a reinterpretar o universo desta grande amante das artes associada ao movimento surrealista.
Christian Lacroix, que se tem consagrado nos últimos anos à criação de figurinos para o teatro e a ópera desde a insolvência da sua casa de moda epónima em 2009, presta desta forma uma singela homenagem à criadora italiana desaparecida em 1973 aos 83 anos e que foi a grande rival de Coco Chanel.
Nascida em Roma no ano de 1890 e radicada em Paris a partir de 1922, Elsa Schiaparelli, que cultivava uma estreita amizade com os maiores nomes das artes e cultura da época como Francis Picabia, Man Ray, Jean Cocteau ou Salvador Dali, ganhou fama mundial com os seus modelos largamente influenciados pela estética surrealista. Ela foi beber inspiração aos padrões do papel de jornal, da lagosta, da borboleta, assim como a materiais como o plástico transparente, o metal e a porcelana de Sévres para inventar o “rosa choque”. 
A sua colaboração com a especialista em bordados Lesage, por exemplo, deu origem a um vestido com desenhos recortados inspirados em Dali. Com Schiaparelli, os acessórios também ganharam contornos mais fantasistas como a bolsa em forma de telefone ou o chapéu sapato. 
Lacroix revela que a o seu tributo ao legado de Elsa Schiaparelli, pioneira em associar a moda à arte, será inspirado pelos seus paradoxos: «alto e baixo, sofisticação e ingenuidade, preto e cor, austeridade contratando com fantasia, o luxo da alta sociedade e um sentido da escolha das pessoas».
Para Diego. Della Valle, a pesquisa efetuada por um apaixonado pela história da moda como Lacroix vai ajudar a definir o que a "Schiap" significa no século XXI. A ideia do executivo de recorrer a diferentes designers em vez de um só nome é parte da sua visão de que a marca, e não a pessoa que a reinterpreta, é que «é rei». No entanto, a casa  Schiaparelli deverá nomear em breve o seu diretor criativo, seguido por um designer de acessórios.
Apesar de esta volta de Lacroix já gerar grande entusiasmo no mundo da moda, num momento em que a estação se esgota, o designer sublinha que «não é um regresso à moda. Não vou estar no centro da casa nem da passerelle. É simplesmente a ideia de revisitar as suas coleções». No entanto, assegura que «nunca diz nunca».

Fonte: Portugal Têxtil