4 de jan de 2012

Lolitas para todos os gostos


O estilo Lolita veio para ficar no Japão, com variações que satisfazem todos os gostos. Um estilo ousado que faz parte do dia a dia de muitas mulheres e que é a grande tendência do mundo da moda do País do Sol Nascente, tendo, inclusive, um lugar de destaque nas passerelles do país.
 
dummy
Lolitas para todos os gostos
 Saias com camadas de renda, adolescentes com muita maquilhagem, um toque de sexualidade e traços de Victoriana são o prato do dia para as raparigas Lolita do Japão.
O que começou com uma moda de rua há duas décadas atrás, com as mais jovens a imitarem as bonecas tipo barroco e rococó europeias transformou-se num movimento quase generalizado, com dezenas de ramificações.
Modelos Lolita populares como os de Misako Aoki foram grandes sucessos na Semana de Moda do Japão neste outono, mostrando guarda-sóis brancos e mangas em balão cor-de-rosa com botas com cordões, pequenos chapéus e laços enormes.
«Esta é definitivamente uma das grandes tendências do mundo da moda no Japão», indicou Akiko Shinoda, diretor da Japan Fashion Week Organisation, acrescentando que as Lolitas surgiram pela primeira vez em 2010 no evento bianual. «Acho que vai sobreviver como uma categoria distinta no Japão», sublinhou.
Usando o nome do título do romance de Vladimir Nabokov sobre um homem de meia-idade com uma obsessão sexual por uma menina de 12 anos, o estilo Lolita incorpora o mundo infantil dos contos de fadas e fantasias dos livros de banda desenhada.
Nos últimos 20 anos, desenvolveu-se e ramificou-se em várias subdivisões, com elementos góticos – desde rosas pretas a joalharia relacionada com a morte – a pseudo-religiosa, com algumas raparigas a usarem crucifixos.
Uma jovem mulher em Tóquio, no bairro de Harajuku, o centro do reino das Lolitas, que se apresenta apenas como Mina, indicou estar a usar «Black Lolita, que é um pouco diferente da Lolita ortodoxa». Mina, a viver os últimos anos de adolescente, indicou que a Black Lolita é uma mistura de Sweet Lolita – um estilo que faz muito uso de pelos, incluindo peluches e orelhas de coelho falsas – e Gothic Lolita, que usa laços, rendas, pérolas e cetim em preto, ao mesmo tempo que mantém as saias básicas de Lolita. «Há também a Classical Lolita, que é um visual mais maduro», acrescentou.
Uma coisa que todos os estilos de Lolita têm em comum é a nota distinta de sexualidade e de burlesco. «As raparigas japonesas adoram coisas giras mas também gostam de coisas que são ligeiramente perturbadoras», revela a designer Maiko Fujii, posando ao lado de uma rapariga a vestir a sua interpretação de Branca de Neve, decorada com lingerie Gothic Lolita. «Acho que, às vezes, as raparigas ficam fascinadas por algo proibido, algo assustador», explica.
Fujii, que estuda o estilo Lolita na escola de design de Tóquio Vantan, vestiu a sua Branca de Neve numa camisa de noite com chiffon vermelho escuro e meias pretas pelo joelho. A designer japonesa indica que encontrou na Branca de Neve o tema perfeito para a sua imagem de Lolita ligeiramente perturbadora após «ter descoberto no conto de fadas que ela era suposto ter apenas 12 anos quando casou com o príncipe». Satomi Tsuchya, de 20 anos, amiga de escola de Fujii, refere que «queremos mostrar de alguma forma que não somos apenas giras».
Norinao Tanaka, professor associado de sociologia da moda na Universidade Bunka Gakuen, vê o estilo Lolita como uma manifestação de um estado psicológico único dos jovens japoneses. «O estilo Lolita representa, em geral, o mundo da infância, o tempo antes das raparigas atingirem a sua sexualidade enquanto mulheres», afirma Tanaka. «Vivem no mundo interior de beleza e imaturidade, como se se recusassem a crescer. Parecem rebelar-se contra os estilos de alguns grupos etários impostos pela sociedade», acrescenta.
Talvez por essa razão, o estilo Lolita parece estar confinado a uma pequena faixa demográfica. A designer Fujii, que usa uma simples minissaia e t-shirt, afirma que, aos 25 anos, já se sente demasiado velha para usar a roupa que desenha.
Kanami Naoi, uma estudante de design de 18 anos, que usa uma saia volumosa em vermelho vivo com uma boina branca, considera que o estilo é muito parecido com as bonecas e pode ser difícil de usar por mulheres mais velhas. «Depende de quem o usa, mas talvez 30 anos seja já demasiado velha. Diria que no máximo 25 anos», diz Naoi. Já Imari Sato, de 18 anos, é mais permissiva. «Acho que se pode usar enquanto for feliz com isso», conclui Sato.
fonte: AFP