25 de jan de 2012

Emergentes vestem “made in Italy”


As propostas apresentadas na recente Semana de Moda Masculina de Milão deverão vestir, no próximo inverno, muitos chineses e russos, os principais clientes do vestuário de luxo “made in Italy”. Uma atração que deverá permitir um crescimento de 6% no primeiro semestre de 2012.
 
dummy
Emergentes vestem “made in Italy”
A indústria do luxo, resiliente mas não imune às crises, temperou as suas previsões otimistas de crescimento para este ano, após o consumo ter abrandado antes do Natal, numa Europa afetada pelos óbices da conjuntura. Contudo, os retalhistas de moda antecipam um impacto menos severo do que o sofrido na recessão de 2009, apoiado por uma oferta de entrada de gama mais alargada e custos mais reduzidos. Marcas de topo como Prada e Salvatore Ferragamo continuaram a abrir lojas na Ásia.
«Fazer previsões agora não só é difícil como perigoso: o risco é criar profecias autorrealizáveis, independentemente de serem boas ou más»», considera Michele Tronconi, presidente da associação têxtil italiana Sistema Moda Italia (SMI).
A Dolce & Gabbana, que mostrou as suas propostas no passado dia 14 de janeiro, num desfile integrado na Semana de Moda Masculina de Milão, que decorreu de 14 a 17 de janeiro, está a misturar a sua linha para o consumidor da high street D&G com a marca de topo epónima, que agora vende todos os produtos desde os glamourosos vestidos de noite às t-shirts D&G. «Quando começámos, em 1984, havia crise, em 1990 houve crise, depois em 2000… mas tentamos superá-las e queremos ser capazes de oferecer coisas diferentes e de qualidade ao preço certo», indicou Stefano Gabbana, um dos criadores da dupla, à revista WWD.
As vendas de moda italiana, no valor de 52 mil milhões de euros em 2011, deverão crescer 6% no primeiro semestre de 2012, de acordo com o SMI. A tendência parece mais forte do que no segundo semestre do ano passado, mas mais fraca do que na primavera anterior, quando a indústria estava ainda a beneficiar de uma recuperação da crise de 2009.
Os compradores asiáticos e russos, cada vez mais à vontade nas ruas estreitas de Milão, ajudaram a aumentar as vendas de moda italiana em 4,8% no ano passado, revelou o SMI. Contudo, este valor ficou abaixo do crescimento de 7% registado em 2010. «Os asiáticos e os russos são os nossos principais clientes», afirmou, antes do Natal, uma assistente de vendas da marca de calçado de luxo Bruno Magli, onde um par de sapatos com cristais incrustados custa mais de 700 euros.
O mercado chinês, dominado por homens, está a impulsionar as vendas de vestuário masculino em cerca de 14% por ano, o dobro do registado no vestuário de senhora de luxo, segundo a consultora Bain & Co. A tendência reflete-se em Itália, onde as vendas de vestuário de homem regressaram finalmente ao crescimento após três anos negativos, indicou o SMI. As vendas de fatos de alfaiataria, camisolas em caxemira e acessórios em pele italianos aumentaram 3,4%, para 8,4 mil milhões de euros, em 2011, com apenas as gravatas a terem menos poder de atração.
De acordo com os dados da Bain & Co, o setor de vestuário de homem, avaliado em cerca de 180 mil milhões de euros, representa 40% do mercado mundial de moda.
Fonte: Reuters