10 de out de 2011

NUNO GAMA - MODA LISBOA - VERÃO 2012


EM CONVERSA COM NUNO GAMA

Daily ModaLisboa - Ser designer de moda em Portugal é um desafio? Porquê?
Nuno Gama - Sim. Primeiro de tudo por falta de mercado, facto que tem a ver principalmente com a nossa economia e também porque os portugueses são os primeiros a subestimarem aquilo que têm.
- Defina o seu trabalho em 5 palavras a partir de ideias, pessoas, lugares, objectos ou adjectivos.
Trabalho / Dedicação / Amor / Paixão / Vida.
Na sua opinião, quais as peças must-have que não podem faltar no guarda-roupa masculino?
Excelentes acessórios, são as cerejas do bolo - principalmente os excelentes sapatos.
O que é mais importante para si no momento em que a sua colecção sobe à passerelle?
A colecção sempre e exclusivamente!
Quais as suas propostas para a Primavera/Verão 2012?
Os Testoscratas da estação passada atingem agora o seu expoente máximo, para sua glória é Verão! Malgrado a conjectura actual, a beleza dos corpos bronzeados revelam-se por entre múltiplas celebrações desta maravilhosa aventura que é a vida.
O guarda roupa reduz-se e torna-se mais objectivo, com o seu expoente máximo no blazer ou num fato – Impécable. O toque, o corte e o conforto elitizam a diferença, contrapondo-se ao vestuário normalmente despretensioso da estação. Os algodões, puros ou em misturas e acabamentos técnicos extremamente sofisticados, renovam o new look Dandy. Os acessórios aprumam esta elegância cosmopolita à procura de uma silhueta mais longilínea, quebrada de forma indiscreta pelo prazer da pele, que se revela por entre decotes. As subtis harmonias de tons propositadamente neutros, mas com um forte apelo ao erotismo da pele fazem parte desta melodia Zeitgeist.
No ar fica uma nostalgia pela garantia na segurança do passado, dinamizada por pequenos toques do eterno vermelho ou iluminada por neutros coloridos, próprios da estação e que perfazem a evolução deste cidadão Boémio (Partizen=Party+Citizen) de transnacionalidade contemporânea.


DESFILE