6 de out de 2011

A MODA QUE VESTIRÁ O INVERNO DE 2013


 WGSN já deu a conhecer as suas macrotendências para a estação fria do próximo ano. O futuro do luxo, a redefinição do conceito de natural, o high & low, a sustentabilidade, a ligação com a tecnologia e a nova identidade da classe média são os grandes temas que ganharão ainda mais peso na moda. 
 
dummy
A moda que vestirá o Inverno 13
Na sessão de apresentação das tendências da WGSN, Paula Fajardo, responsável pela consultoria para Portugal e Espanha, identificou a Hipercultura, a Neutralidade Radical e o Eco Hedonismo como as três grandes tendências para Outono/Inverno 2012-13.
A primeira macrotendência, a Hipercultura, é pautada pela grande mistura de estilos, valores e ícones, com origens étnicas e híbridas diferentes. Esta tendência «inspira-se no consumidor que vai ter uma nova visão do mundo graças à Internet e na ideia de procurar novos nichos e coisas inusuais», explica Paula Fajardo. Na moda, esta tendência espelha-se no «uso de uma cartela de cores hiper-variada, desde os pastéis estranhos com sintéticos brilhantes muito fortes e coloridos que vão ajudar a criar estampados étnicos, tão importantes neste tema», resume a consultora.
Na segunda macrotendência, baptizada neutralidade radical, a consultora da WGSN fala de um novo minimalismo e da mistura de alguns conceitos humanos como a androginia. «Esta tendência mostra que vivemos num mundo de extremos e ser neutral é a escolha mais progressista», afirma Paula Fajardo. O sucesso de modelos exóticos como Andrej Pejic, que marca a tendência “femiman” na moda, é um indício desse novo caminho.
O reflexo na moda são «tons claros neutros como o branco, creme, bem como os subtis cinza e preto que dão vida a silhuetas desestruturadas que disfarçam o género (estilo Yamamoto). Grafismos, transparências, utilização de camadas sobrepostas e formas mais quadradas baseadas na alfaiataria masculina» definem esta tendência de neutralidade radical, segundo Paula Fajardo.
A última macrotendência é o eco hedonismo com raízes na sustentabilidade. «Aqui, a ecologia e a natureza são os pontos de destaque, inclusive com propostas para o mercado de luxo, que deve voltar os olhos para esses temas», revela a consultora. Tudo que é natural, de resto, ganha uma abordagem sofisticada, da moda ao comportamento, da gastronomia à beleza. «Na moda o Eco Hedonismo reflecte-se com a utilização de penas e pêlos, uso de texturas tridimensionais, o couro como um dos materiais-chave, as silhuetas monásticas especialmente para homem e os acabamentos rústicos em todas as colecções», conclui Paula Fajardo na sua abordagem às tendências que marcarão os meses mais frios do próximo ano. 
Fonte: Portugal Textil