6 de dez de 2011

CHINA BATALHA LUGAR NA MODA


A Ne Tiger apresentou uma mistura de detalhes tradicionais chineses, recorrendo a estilos com mais de 1.000 anos, com designs ocidentais, marcando o início da China Fashion Week, numa altura em que o mercado chinês de produtos de luxo conquista a atenção de cada vez mais designers.
 
dummy
China batalha lugar na moda
Na China Fashion Week, as modelos apresentaram uma vasta gama de vestidos longos com cores brilhantes, alguns com bordados tradicionais chineses e réplicas de roupas da Dinastia Tang, 618 AD a 907 AD. As peças fazem parte da colecção da Ne Tiger, a marca de luxo mais antiga da China. «A indústria da alta-costura na China está a desenvolver-se vigorosamente, sem quaisquer sinais de abrandamento. Está acima das minhas expectativas», revelou Zhang Zhifeng, que fundou a marca há 19 anos. «Pensava que a minha alta-costura iria viver apenas de um pequeno grupo de pessoas, mas agora está a expandir-se muito rapidamente. Os consumidores tornaram-se mais entusiastas da cultura tradicional chinesa». Zhang explicou que queria que a colecção Primavera/Verão 2012 destacasse a cultura Tang para o público de 500 pessoas que assistiram ao início da Semana da Moda, cuja abertura foi garantida pela Ne Tiger ao longo da última década.
O atelier de Zhang está localizado no coração de Pequim, onde a sua equipa internacional de 11 pessoas dedica-se à criação de designs personalizados. Um vestido personalizado, feito à mão, custa normalmente cerca de 30.000 yuan (mais de 3.500 euros), com o preço a aumentar ainda mais em função do trabalho envolvido, como bordar desenhos elaborados. A produção de uma peça pode demorar até três meses. Mas, apesar dos preços, Zhang refere que a Ne Tiger registou um crescimento nas compras por parte dos clientes nacionais e estrangeiros nos últimos anos. A marca possui oito lojas em todo o mundo.
Enquanto os designers de moda europeus e norte-americanos estão a sentir o aperto da crise económica, o número de milionários na China está a expandir rapidamente, levando a um mercado crescente para a alta-costura na segunda maior economia do mundo.
De acordo com os dados de 2011 da World Luxury Association, no final do mês de Março, a China representou um quarto do consumo de luxo mundial. O mercado chinês tornou-se também no segundo maior consumidor mundial de bens de luxo.
Fonte: Reuters