20 de jan de 2013

Paris à espera de Slimane

A primeira coleção de homem de Hedi Slimane para a Saint Laurent é um dos momentos mais aguardados da semana de moda masculina de Paris, que começa hoje e que será seguida pela alta-costura, onde a estreia da Alexis Mabille e Maison Martin Margiella e a ausência da Givenchy são os principais destaques.
dummy
Paris à espera de Slimane
A moda de homem toma conta, a partir de hoje, das passerelles de Paris, com todos os olhos postos na primeira coleção de homem da Saint Laurent desenhada por Hedi Slimane, conhecido pelos seus cortes justos ao corpo, antes dos holofotes se virarem para a alta-costura.
Conhecido por ter revolucionado o vestuário de homem durante a sua passagem pela Dior entre 2000 e 2007, Slimane conjugou casacos de corte curto com calças justas, num visual andrógino e magro copiado pelos designers do mercado de massas que rapidamente se difundiu no mundo do rock n’ rol.
Estrelas como Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, e Pete Doherty, vocalista dos Babyshambles e conhecido por ter namorado com a modelo Kate Moss, pisaram o palco em Dior Homme e mesmo o legendário designer Karl Lagerfeld perdeu 45 quilos para poder entrar num fato Slimane.
Como um recente tweet referiu, «agora que Hedi Slimane está a fazer novamente vestuário de homem, isso significa que a “homanorexia” está de novo na moda?».
 
Depois de Slimane ter-se estreado na Saint Laurent em outubro passado com uma coleção de senhora, o mundo da moda espera com ansiedade a sua primeira coleção masculina. Mas os fashionistas têm de ser pacientes, já que a coleção de Slimane para o outono-inverno 2013/2014 será a última a ser revelada, no domingo.
Entretanto, nos cinco dias a partir de hoje irão decorrer cerca de 50 desfiles, incluindo Hermès (com a assinatura da designer Veronique Nichanian), Dior (Kris van Assche), Lanvin (Lucas Ossendrijver), Berluti (Alessandro Sartori) e Jean Paul Gaultier.
Os fãs da Louis Vuitton (desenhada por Kim Jones) poderão mesmo ver o desfile da coleção em direto, no telemóvel ou no tablet, a partir do website da marca.
Raf Simons, diretor artístico das coleções de senhora da Dior, irá também apresentar a sua visão para o homem do próximo inverno no desfile da sua marca própria.
Depois, a partir de segunda-feira, dia 21 de janeiro, será a vez da alta-costura ser o centro das atenções. Entre os destaques está a estreia das casas de moda Alexis Mabille e Maison Martin Margiela enquanto membros de pleno direito da alta-costura (uma designação protegida em França e sujeita a critérios rigorosos), que ganharam o título em dezembro e apresentarão as suas coleções para a próxima estação quente juntamente com Raf Simons para a Dior, Karl Lagerfeld para a Chanel, Jean Paul Gaultier, Giorgio Armani, Valentino, Versace e Elie Saab.
Uma ausência notada é a Givenchy e o seu diretor artístico Riccardo Tisci. A casa, que pertence à galáxia LVMH, anunciou que não fará nenhum desfile nem showroom, mencionando a necessidade de «fazer uma pausa». Enquanto grandes casas de moda como a Yves Saint Laurent e a Lanvin deixaram de fazer alta-costura para se concentrarem no pronto-a-vestir de luxo, a Givenchy indicou que não está em causa abandonar a alta-costura nem fechar.
Os desfiles de alta-costura contam ainda com 11 convidados, sob um acordo que permite que outras casas de moda partilhem um pouco das luzes da ribalta, entre os quais os emergentes Bouchra Jarrar, de França, Yiqing Yin, da China, e a dupla francesa Lefranc.Ferrant.
Já o designer Hervé L. Leroux, que ganhou fama nos anos 90 pelos seus vestidos enfaixados sob o seu nome original de Hervé Leger, antes de perder o direito de o usar como marca, irá apresentar a sua coleção em manequins no seu atelier, uma opção económica que permite que jornalistas e compradores vejam as suas meticulosas criações de perto.
 

Fonte: AFP