6 de jan de 2014

Um guarda-chuva de luxo

Indispensável nos próximos dias, a crer nas previsões do Instituto de Meteorologia, o guarda-chuva é um acessório de moda muitas vezes menosprezado, mas que Michel Heurtault elevou ao estatuto de artigo de luxo, criando verdadeiras obras de arte que passam de geração em geração. 

dummy
Um guarda-chuva de luxo

Facilmente partidos e muitas vezes perdidos, os humildes guarda-chuvas não são muitas vezes vistos como artigos de luxo, Mas para o francês Michel Heurtault, cujas criações podem atingir os milhares de euros, é isso mesmo que eles são. O artesão de 48 anos usa os melhores materiais para os seus guarda-chuvas e guarda-sóis, que são feitos para durar e passar de geração em geração.
Apesar dos seus preços elevados, a loja de Heurtault em Paris atrai clientes de todo o mundo – uma princesa do Qatar escolheu uma pega de guarda-chuva com chagrém, uma espécie de couro, com um valor superior a 8 mil euros.
«Os guarda-chuvas sempre foram a minha paixão», afirma Heurtault. «Eram o meu brinquedo favorito quando era pequeno. Era fascinado por eles – o que a minha mãe achava muito estranho!», revela, lembrando como os costumava desmontar e usar as peças de dois para criar um único guarda-chuva.
Michel Heurtault criou o seu negócio apenas em 2008, mas algumas das suas ferramentas têm mais de 100 anos. O cenário é também especial, num arco elegante do século XIX de um antigo viaduto sob a linha de comboio no leste de Paris, que alberga muitas lojas chiques de artesãos reconhecidos.
«Todos esses guarda-chuvas são feitos na China», afirma à medida que vê os peões passarem pela loja, num dia chuvoso. «Aqui, tudo é feito à mão, o que é único», sustenta Heurtault, que também restaura e cria guarda-chuvas para a indústria cinematográfica.
O sócio de Heurtault, Jean-Yves Thibert, diz que os australianos e os japoneses são «fanáticos por guarda-sóis», enquanto os guarda-chuvas têm mais seguidores nos EUA e na Europa, sobretudo na Áustria e na Alemanha.
O artigo mais barato para senhora custa 250 euros e é feito em seda, com uma pega revestida a couro. Para homem, o mais barato custa 490 euros, o valor de um guarda-chuva elegante em twill de seda com uma pega em madeira de ácer. «Não encontra este tipo de acabamento em mais nenhum sítio», garante Thibert.
Michel Heurtault desespera, contudo, com a cultura de deitar fora de hoje. «As coisas estão a tornar-se cada vez mais baratas, não duram, quebram facilmente e são descartáveis. Estes guarda-chuvas são feitos para durar gerações», sublinha. «Nos anos 50, as pessoas não perdiam os guarda-chuvas, cuidavam deles», observa. «Hoje uma rapariga compra um guarda-chuva por 10 euros, ele parte-se e ela compra outro por 10 euros. Claro que não dura».
Heurtault faz as coisas de forma diferente. Os clientes podem optar por guarda-chuvas personalizados, escolhendo a pega, o tecido, o padrão e a madeira. «Isto é o verdadeiro luxo, não é standardizado», destaca Thibert, mostrando várias pegas antigas adquiridas um pouco por toda a França. Uma é feita de marfim com incrustações de pérolas.
No seu trabalho para a indústria cinematográfica Heurtault fez recentemente guarda-sóis para uma versão do filme Cinderela, com Cate Blanchett, e para um recente filme de Woody Allen.
«Os figurinistas em filmes de época recorrem a mim porque não têm outra escolha. Estes métodos tradicionais perderam-se», lamenta Michel Heurtault, que começou a sua carreira como figurinista, trabalhou para a ópera e fez corpetes para Christian Dior.
O artesão foi recentemente nomeado Master of Art, uma homenagem da França aos seus artesãos profissionais altamente qualificados. «É a maior honra para um artesão», afirma com orgulho. «Vejo-o como um enobrecimento com base no mérito», conclui.
 

Fonte: AFP